O novo presidente da Associação Nacional de Freguesias (Anafre), Cândido Moreira, disse este domingo que as autarquias vão reclamar a reabertura do processo de reforma administrativa, recorrendo a «velhas lutas não violentas», se necessário.

Cândido Moreira, o socialista que preside à Junta de Padronelo, falava no encerramento do XIV congresso da Anafre, no qual foi eleito presidente do conselho diretivo. Cândido Moreira sucede a Armando Vieira (PSD), que passou a vice-presidente na lista única de consenso partidário.

«A posição da Anafre sempre foi clara e determinada: esta reforma não!», disse Cândido Moreira, posição reforçada «ouvido o congresso», que se pronunciou nesse sentido.

«Iremos pedir a reabertura do processo, para que haja uma lógica de paz e tranquilidade social. Esta reforma não trouxe mais eficiência, eficácia, ou ganhos financeiros a ninguém, pressupostos com que foi anunciada», afirmou, citado pela Lusa.

O novo presidente da Anafre garantiu que a associação vai ser decidida e decisiva, «agora que o termo irrevogável evoluiu e se transformou num neologismo a significar que não é decisão para toda a vida».

Cândido Moreira disse, ainda, que os elogios do Governo são bem ouvidos pelos autarcas, porque merecidos, mas lamentam «não corresponderem às práticas legislativas» recentes.

«Lutaremos pela alteração das leis que acompanham a reforma, uma vez que nenhuma tem ganhos financeiros, mas são um ataque intolerável à autonomia local e às freguesias. Continuaremos a exigir ser tratados de igual para igual, sem preconceitos e descriminações», declarou.

Além da luta para que seja revista a agregação de freguesias, o novo presidente da Anafre apontou como uma das prioridades a revisão do estatuto do eleito local.

«Está chegada a hora de exigir justiça, diferenciando as grandes das pequenas freguesias. Não é possível que um município com cinco mil habitantes tenha um conjunto de eleitos em regime de tempo inteiro e freguesias com 50 e 60 mil habitantes não tenham esse reconhecimento. O trabalho cívico e dedicação social são importantes, mas não o podem esperar só das freguesias», comentou.

Cândido Moreira anunciou, também, que a Anafre apresentará candidaturas a programas operacionais, projetos para formação de funcionários e estará atenta aos programas regionais, canalizando para as freguesias os que se adequarem.

«Seremos exigentes e firmes com os parceiros institucionais. Não abdicaremos da defesa das nossas posições e recorreremos a velhas lutas não violentas para dar conta delas à sociedade», concluiu.