A moção «Responsabilidade e Identidade», que tem como primeiro subscritor o líder do CDS-PP, Paulo Portas, obteve 82% dos votos, contra 16,6 por cento da moção encabeçada por Filipe Anacoreta Correia, do movimento Alternativa e Responsabilidade.

Num total de mil votantes, a moção de Paulo Portas conseguiu 820 votos e a de Anacoreta Correia 166, tendo sido contabilizados 14 votos brancos e nulos.

A votação das duas moções decorreu até às 3:15, tendo os resultados sido divulgados cerca de meia hora depois.

O XXV Congresso do CDS-PP, que decorre em Oliveira do Bairro (Aveiro) termina este domingo, com a eleição dos órgãos nacionais do partido, incluindo o presidente reeleito, Paulo Portas.

Anacoreta satisfeito com resultado «muito expressivo»

O líder do movimento Alternativa e Responsabilidade, Filipe Anacoreta Correia, manifestou-se satisfeito com o resultado «muito expressivo» da votação da sua moção global ao Congresso do CDS-PP. «Nunca tive uma votação tão expressiva para uma moção. Na tradição dos partidos e dos congressos, este é um resultado muito expressivo», afirmou Anacoreta Correia, em declarações aos jornalistas, no final da contagem dos votos, no XXV Congresso democrata-cristão.

«É um sinal, uma pequena semente», afirmou Anacoreta Correia, afirmando que não está preocupado com «questões de sucessão» mas sim com a estratégia política.

«Não fizemos isso com nenhum calculismo de futuro ou o que quer que seja. Não nos preocupa o futuro ou as questões da sucessão. O que nos preocupa é a reforma do Estado, uma atitude mais consequente, mais comprometida e mais ousada», disse.

«Esta votação foi um sinal, até para mim bastante surpreendente, muito além daquilo que pensava», disse.

Filipe Anacoreta Correia reiterou que apresentará Luís Nobre Guedes como cabeça de lista à mesa do Conselho Nacional do CDS-PP. Questionado sobre a disponibilidade manifestada pelo líder do CDS-PP para que Nobre Guedes integre o Conselho Nacional, Anacoreta Correia disse desconhecer se houve algum convite. «O esforço de agregação não se faz à frente das câmaras», afirmou.

Nuno Magalhães fala em resultado «claríssimo»

O dirigente e líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, qualificou como um resultado «claríssimo» os 82% de votos obtidos pela moção de estratégia global de Paulo Portas. «Creio que, num dos congressos mais participados da história do CDS, com maior número de congressistas, o resultado é claríssimo e demonstra um apoio total à estratégia da direção e do doutor Paulo Portas», afirmou Nuno Magalhães aos jornalistas após terem sido divulgados os resultados da votação das moções.

Essa linha passa por fazer «deste ano um ano de viragem», quer com a recuperação da «soberania perdida» com o fim do programa de assistência, em maio, quer «em dar força aos sinais económicos que, cada vez de forma mais coerente e mais consistente aparecem», afirmou.

«Foi também um congresso que, com a vivacidade normal que é próxima dos congressos, foi respeitador dos sacrifícios do momento difícil que as pessoas atravessam e procurando discutir ideias», salientou Nuno Magalhães.

Questionado se houve contactos da parte de Paulo Portas com Luís Nobre Guedes a propósito da lista ao Conselho Nacional, Nuno Magalhães respondeu: «Da nossa parte, não creio que tenha havido contactos, o doutor Paulo Portas fez o apelo que todas as pessoas ouviram».