O Presidente da República começa esta segunda-feira a receber os partidos políticos com representação parlamentar, na sequência do pedido de demissão apresentado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, que abriu uma crise política.

O Partido Ecologista Os Verdes é o primeiro a ser recebido em Belém, às 15:30, seguindo-se o Bloco de Esquerda, às 16:30, e o PCP, às 17:30.

VÍDEO: Verdes disseram ao PR que «único caminho é a dissolução da AR e eleições» antecipadas

As audiências com os restantes partidos com assento parlamentar - CDS-PP, PS e PSD - estão agendadas para terça-feira.

A Presidência da República não tem prevista qualquer declaração pública de Cavaco Silva até terça-feira.

No domingo, Presidente, primeiro-ministro e ministro demissionário dos Negócios Estrangeiros juntaram-se na cerimónia de entrada solene do novo patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, mas os três optaram pelo silêncio sobre a crise.

O líder do PSD e chefe do Governo, Pedro Passos Coelho, anunciou no sábado um entendimento político com o CDS-PP liderado por Paulo Portas, proposto para vice-primeiro-ministro com a responsabilidade da coordenação económica, reforma do Estado e ligação à troika, que, assim, se mantém no executivo, depois de ter apelidado a sua demissão de «irrevogável».

Com este acordo, Passos Coelho pretende pôr fim à crise política que se iniciou há uma semana com a saída de Vítor Gaspar da pasta das Finanças, a que se seguiu a demissão de Portas, na terça-feira, depois da nomeação de Maria Luís Albuquerque para o cargo.

Logo na terça-feira, Passos Coelho anunciou, numa declaração ao país, que não se demitia nem aceitava o pedido de demissão de Paulo Portas, iniciando-se nessa mesma noite uma série de encontros, pelo menos cinco, com o líder do CDS-PP.

Na quarta-feira, a comissão executiva do CDS-PP reuniu-se em Lisboa e decidiu mandatar Portas para reunir com Passos Coelho, e encontrarem «uma solução viável para a governação em Portugal».