O primeiro-ministro Passos Coelho indicou o nome de Carlos Moedas, seu secretário de Estado Adjunto, para integrar a futura Comissão Europeia, disse à Lusa fonte do gabinete do chefe do Governo, nesta sexta-feira.

Carlos Moedas irá integrar a futura equipa do recém-eleito presidente da Comissão, Jean-Claude Juncker.

Na quinta-feira, fonte do gabinete do primeiro-ministro tinha indicado que o nome que Portugal iria indicar para integrar a futura Comissão Europeia, em Bruxelas, já estava escolhido, mas só seria divulgado hoje, já que Pedro Passos Coelho queria antes falar com Jean-Claude Juncker.

Maria Luís Albuquerque, outro dos nomes avançados na comunicação social para integrar a Comissão Europeia, mantém-se, assim, titular da pasta das Finanças portuguesas.

Há três anos a ocupar o cargo, Carlos Moedas foi um dos protagonistas nas negociações com os representantes do Fundo Monetário Internacional (FMI), Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia, ou seja, a troika.

Carlos Moedas, prestes a fazer 44 anos (10 de agosto), nasceu em Beja e licenciou-se em Engenharia Civil pelo Instituto Superior Técnico em 1993. Fez o último ano do curso na École Nationale des Ponts et Chaussées de Paris e trabalhou até 1998 na área de engenharia para o grupo Suez Lyonnaise des Eaux, em França.

No seu percurso profissional, o novo comissário europeu integrou a equipa do banco de investimento Goldman Sachs - na mesma altura em que António Borges trabalhou na instituição -, na área de fusões e aquisições, e foi gestor de projetos para o grupo Suez, em França, entre 1993 e 1998.

Trabalhou no Eurohypo Investment Bank e dirigiu a consultora imobiliária Aguirre Newman quando regressou a Portugal, em agosto de 2004, onde foi administrador delegado até novembro de 2008, altura em que criou a empresa de gestão de investimentos Crimson Investment Management.

Coordenador do setor económico do Gabinete de Estudos do PSD, Carlos Moedas foi cabeça de lista por Beja nas últimas legislativas, tendo sido eleito, passando o PSD a ter um deputado por aquele distrito pela primeira vez desde 1995.

Carlos Moedas fez parte da equipa social-democrata que negociou a aprovação do Orçamento do Estado para 2011, ao lado de Eduardo Catroga.