O secretário-geral do PS e candidato às primárias, António José Seguro, garantiu esta sexta-feira que não descansará enquanto a polémica do BES não for totalmente esclarecida, uma vez que se trata de «um caso do regime».

Durante um jantar em Viseu, que reuniu cerca de 350 apoiantes, António José Seguro afirmou que «o caso BES não é apenas um caso entre os acionistas do banco e os seus administradores ou ex-administradores», nem «o caso de um banco ou do sistema financeiro» em Portugal.

«Pelos seus envolvimentos económicos e alegados envolvimentos políticos, é um caso do regime. E nós precisamos de salvar o regime», realçou.

No seu entender, tal só é possível «eliminando a podridão desse regime, para que a podridão não contamine as partes boas e sãs».

António José Seguro contou que, à chegada ao restaurante de Viseu, alguém lhe disse que ele era «um perigo».

«Um perigo para os interesses, um perigo para aqueles que em Lisboa querem que tudo permaneça na mesma, que haja uma evolução na continuidade. Mas nós estamos aqui para dizer que vamos fazer a mudança», garantiu, como reporta a Lusa.

Para o líder socialista, há que combater a «falta de confiança nas instituições», porque «quem está errado não é o povo, quem está errado é quem, com opacidade, protege interesses e não faz o apuramento da verdade, o esclarecimento total».