O secretário-geral do PS, António José Seguro, garantiu esta terça-feira que está em sintonia com as linhas programáticas da candidatura de Martin Schulz à liderança da Comissão Europeia, que incluem uma proposta de mutualização parcial das dívidas soberanas.

«Nós - todos os socialistas, sociais-democratas e trabalhistas europeus - apresentamos com clareza um programa político, um manifesto, onde o instrumento da mutualização [da dívida soberana] lá está concretizado», disse António José Seguro, acompanhado por Martin Schulz, que identificou com «um amigo de Portugal».

Admitindo a possibilidade de surgirem eventuais divergências programáticas com o candidato alemão, António José Seguro garantiu que daí não adviria nenhum problema para a União Europeia e que não deixaria de defender os interesses de Portugal.

«Se tiver divergências no seio da família socialista europeia, eu não recuarei. Bem pelo contrário, afirmarei e lutarei sempre na procura das melhores soluções», assegurou o líder socialista.

«No que diz respeito à mutualização [parcial] da dívida, é muito simples: a Europa tem um problema para o qual necessita de uma resposta comum. Eu não encontro melhor solução do que a criação do Fundo de Redenção», acrescentou.

António José Seguro, que falava aos jornalistas após uma visita à Caritas Diocesana de Setúbal, com Martin Schulz e Francisco Assis no âmbito de uma ação de pré-campanha das eleições para o Parlamento Europeu, admitiu que se trata de um objetivo difícil de alcançar, porque neste momento há uma maioria que é contra, mas defendeu que os dirigentes do País devem lutar pela concretização desta solução.

«A nossa responsabilidade e a nossa tarefa é transformar a realidade, melhorá-la, mudá-la. E lutar para que esse instrumento possa ser adoptado, de modo a que possamos aliviar os sacrifícios dos portugueses», disse.

«Entre nós e Martin Schulz há uma convergência em relação àquilo que devem ser as respostas da Europa. E nós estamos aqui para significar o apoio a Martin Schulz a presidente da Comissão Europeia», frisou.

António José Seguro salientou ainda o empenhamento do PS nas eleições para o Parlamento Europeu referindo-se ao cabeça de lista socialista, Francisco Assis, como «um dos melhores dirigentes políticos do País, uma pessoa de enormes qualidades, grandes competências e grande convicção», como reporta a Lusa.