Alguém se fez passar pelo representante do ministro da Economia no negócio da TAP, sem na verdade o ser. Foi o próprio António Pires de Lima que  informou esta terça-feira a Procuradora-Geral da República sobre a situação.

O governante foi advertido de que um indivíduo que se identifica como seu representante ter-se-á aproximado do consórcio vencedor da privatização da TAP para obter vantagens económicas, adianta, num comunicado citado pela Lusa, o gabinete do governante.

A mesma pessoa terá também contactado um responsável pelo processo de subconcessão do Metro e da Carris.

Leia a comunicação feita pelo ministério:

"O gabinete do ministro da Economia informa que o ministro da Economia relatou formalmente, hoje, dia 30 de junho, à senhora Procudora Geral da República, ter sido advertido, por pessoas das suas relações que reputa como idóneas e fidedignas, que um indivíduo, identificando-se como representante e alegando atuar em seu nome, ter-se-á aproximado de pessoas responsáveis pelo consórcio vencedor da reprivatização da TAP, bem como de um responsável direto pelo processo de subconcessão do Metropolitano de Lisboa e da Carris, pretensamente com o objetivo de obter para si vantagens económicas. Esta é uma situação lamentável a que o Ministério da Economia é obviamente alheio"


Acrescenta o gabinete que essas informações foram prestadas à PGR "para que as autoridades possam adotar todos os procedimentos legais que em seu juízo se mostrem adequados".

"O ministério da Economia tudo fará para que as melhores práticas em matéria de transparência, lisura e rigor continuem a caracterizar os processos de privatização da TAP e das subconcessões dos serviços de transporte", conclui.