O CDS-PP considerou esta quarta-feira que os dados que apontam para um crescimento da economia portuguesa em 1,1% têm de ser encarados com esperança e com prudência, salientando que o mérito é das empresas, dos empresários e dos trabalhadores.

«Naturalmente é uma boa notícia. Ao fim de quase mil dias de recessão, Portugal tem um trimestre de crescimento bastante relevante acima de 1%. Agora, naturalmente, esta notícia deve ser vista com esperança, mas também com prudência», disse à agência Lusa o porta-voz do CDS-PP João Almeida.

De acordo com o vice-presidente da bancada parlamentar do CDS-PP, o valor é muito relevante e mostra que Portugal cresceu acima da média da zona euro, muito acima de países como a França e a Alemanha.

«Superou também as expetativas que apontavam para um crescimento de 0,6% e verificou-se uma subida de quase o dobro, mas temos de ser prudentes pois se olharmos para os dados do ano passado estes ainda são negativos», sublinhou.

João Almeida salientou também que o CDS entende que o mérito deste «crescimento» é de todas as empresas, dos empresários e dos trabalhadores que «conseguiram criar esta dinâmica» na economia portuguesa.

«Terão contribuído também as reformas estruturais e a diplomacia económica, medidas que ajudaram as empresas a conseguir este resultado, mas o mérito é essencialmente dos portugueses e das empresas portuguesas», afirmou o dirigente centrista.

Apesar dos dados apontarem para um crescimento da economia, João Almeida alertou para a necessidade de olhar para a sustentabilidade futura.

«O que este valor indica é que não há uma evidência de espiral recessiva, mas também não é o início de uma recuperação sustentada. É preciso dar sustentabilidade, olhar com realismo para estes dados, ver o que há de positivo e negativo e ver o que se pode fazer para dar sustentabilidade futura a uma inversão como esta», disse.