O PSD saudou esta quarta-feira a divulgação pela Procuradoria-Geral da República (PGR) do número de mortos nos incêndios de Pedrógão Grande e desistiu do debate na Comissão Permanente da Assembleia da República.

"Com a divulgação da lista" pela PGR, "não faz sentido" o PSD manter o debate pedido, afirmou o líder parlamentar do PSD, Hugo Soares, em declarações aos jornalistas no parlamento, dois dias depois de ter dado um prazo de 24 horas para o governo divulgar os nomes, o que não aconteceu.

Finalmente, a especulação acabou”, disse Hugo Soares, que elogiou a decisão do Ministério Público e criticou o Governo por “gerir politicamente aquilo que não pode nem deve estar no domínio da política”.

Para o líder da bancada social-democrata, o Ministério Público “andou bem, divulgou a lista e pôs também um ponto final em torno daquela especulação à volta do segredo de justiça”.

O Governo “não fez o seu trabalho, fez o Ministério Público e fez muito bem”, concluiu.

O PSD afirma que esta é “uma boa notícia” para o país, dado que as famílias podem finalmente ser ressarcidas pelos danos e mortes dos seus familiares” e que agora podem “continuar as suas vidas em paz”.

Hugo Soares acrescentou que o PSD já informou o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, que desistia da convocação da conferência de líderes, hoje às 16:00, em que iria ser discutida a proposta de realização de um debate, em Comissão Permanente, sobre a lista de vítimas dos incêndios de Pedrógão Grande.

Por sua vez, a presidente do CDS-PP considerou positivo que a Procuradoria-Geral da República tenha divulgado a lista das vítimas mortais e acusou o Governo de ter alimentado "um tabu" sobre esta questão.

Esperemos que agora se acabe com este tabu que lamentavelmente o Governo alimentou quando não foi claro em relação a esta matéria. Creio que é positivo poder-se ter acesso a essa lista e certamente o Ministério Público fará o seu trabalho", disse Assunção Cristas.

Falando aos jornalistas à margem de uma visita a um centro de apoio a reformados, em Lisboa, a presidente do CDS-PP considerou que a divulgação da lista pela PGR permitiu já perceber que "há mais duas mortes sob investigação, ligadas ainda que indiretamente aos incêndios de Pedrógão".

Pelo menos agora há uma lista que pode ser consultada e qualquer omissão, repetição ou o que quer seja pode ser conferido por todas as pessoas e isso é positivo", disse.

A líder do CDS-PP afirmou esperar que "agora as coisas possam andar de maneira mais tranquila" e disse lamentar que "o Governo tenha alimentado este tabu e que não tenha esclarecido as coisas devidamente e atempadamente".

A Procuradoria-Geral da República confirmou na terça-feira, em comunicado, que se registaram, "até ao momento", 64 vítimas mortais nos incêndios de Pedrógão Grande, e divulgou a respetiva lista.

Assunção Cristas sustentou que "o Governo continua a andar mal em matéria de fogos", frisando que "o centro do país está a arder" e "há notícias sobre descoordenações".

Sentimos que de facto não há a tal autoridade e comando por parte do Estado como deveria existir e eu creio que é lamentável", disse.

A presidente do CDS-PP e candidata à câmara municipal de Lisboa disse que mantém a defesa de uma "mexida profunda" no Governo, que "com certeza não resolveria tudo mas ajudaria a restabelecer" a ordem que disse faltar no terreno.

A remodelação deveria incluir, reiterou, a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, e o ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes.

Assunção Cristas manifestou ainda solidariedade para com todas as pessoas que estão a viver o drama dos incêndios e para com os bombeiros que estão no terreno.