O candidato do Partido Unido dos Reformados e Pensionistas (PURP) à presidência da Câmara de Lisboa, António Arruda, defendeu hoje a gratuidade dos transportes para os reformados com pensões inferiores ao salário mínimo.

Defendemos que quem tem reformas baixas, até ao ordenado mínimo, deverá ter os transportes grátis em Lisboa”, começou por dizer à agência Lusa, numa ação de campanha no Poço do Bispo, onde uma pequena ‘comitiva’ do PURP colocou panfletos nas caixas do correio e entregou-os em mão às poucas pessoas com que se cruzou.

António Arruda completou a proposta com a defesa do aumento da quantidade de transportes, “principalmente na zona ocidental de Lisboa, que está completamente um caos”.

Outra das propostas que fazemos é a de estender as linhas do metro e não fazer aquela circular de que hoje se fala – sou completamente contra isso. Acho que se deverá ligar a Linha de Cintura, que está feita, a Cascais. É um projeto que existe na CP, que foi suspenso em 2011 e que deverá ser reativado”, indicou.

O cabeça de lista do PURP demonstrou que o seu partido tem um programa eleitoral essencialmente voltado para os reformados e idosos, propondo também a criação de projetos de ocupação desta franja que representa 28% da população lisboeta.

Arruda pretende também criar um programa de assistência domiciliária, que poderá ser feita pelos serviços municipais, em colaboração com a Santa Casa da Misericórdia e com organizações não governamentais (ONG), e melhorar a acessibilidade a edifícios para deficientes.

“Temos o grande problema da habitação, principalmente com este 'boom' turístico. É incrível como os senhorios começam a não renovar contratos, principalmente a pessoas com bastante idade, com pensões extremamente baixas e que têm de sair e depois não têm qualquer possibilidade de arranjar uma casa, porque não têm dinheiro”, destacou ainda.

Presente na ação de campanha, Fernando Loureiro, candidato do PURP à Assembleia Municipal de Lisboa, deixou fortes críticas à comunicação social pelo tratamento desigual a que vota os partidos pequenos, uma ‘queixa’ expressa numa carta endereçada ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e entregue no Palácio de Belém.

Nas eleições de 01 de outubro concorrem à presidência da Câmara de Lisboa Assunção Cristas (CDS-PP/MPT/PPM), João Ferreira (CDU), Ricardo Robles (BE), Teresa Leal Coelho (PSD), o atual presidente, Fernando Medina (PS), Inês Sousa Real (PAN), Joana Amaral Dias (Nós, Cidadãos!), Carlos Teixeira (PDR/JPP), António Arruda (PURP), José Pinto-Coelho (PNR), Amândio Madaleno (PTP) e Luís Júdice (PCTP-MRPP).