Para o inspetor-geral da ASAE, trata-se de "um problema de conflito de deveres e risco potencial de alteração à ordem pública", já que a ação inspetiva pode envolver riscos e, por isso, "deve ser medida a tensão existente".