Paulo Portas foi o nome mais repetido pelo cabeça de lista do PS por Aveiro, Pedro Nuno Santos, no seu discurso no almoço-comício do PS em Águeda, esta quarta-feira. Mais do que Passos Coelho, até, também muitas vezes criticado. Foi estratégico, até porque antes o ainda vice-primeiro-ministro concorria às eleições por Aveiro. Agora entra na corrida por Lisboa.

"Paulo Portas está transformado num sniper de Passos Coeho. Sempre que ele não está", Portas ocupa o lugar


Deu como sentenciado o fim da carreira de um dos homens com mais anos de política em Portugal. "É triste ver Paulo Portas a terminar a sua carreira política como mero sniper de Passos Coelho", insistiu.

"Já não é cabeça de lista por aqui, porque já ninguém acredita nele. Não pode sair à rua. Paulo Portas esteve à beirinha de se demitir. Uma das principais razões chamava-se Maria Luís Albuquerque. (...) Paulo Portas não é cabeça de lista por Aveiro porque não pode"

Pedro Nuno Santos terminou o seu discurso uma frase-chave sobre o resultado das próximas eleições. "Nós não temos o direito de falhar".

O seu discurso foi muito efusivo. Fez questão de pronunciar os nomes dos adversários diretamente para os criticar e imputar-lhes responsabilidades, sobretudo no caso do Novo Banco e de uma austeridade que, em seu entender, não serviu de nada, porque o défice de 2014 ficou praticamente igual ao herdado em 2011. "É uma incompetência grave demais".