O ministro da Solidariedade, Pedro Mota Soares, revelou esta terça-feira que já existem 13 mil acordos de cooperação entre o Estado e instituições sociais em Portugal, cerca de 300 deles implementados pelo atual Governo, nos últimos três anos.

«Foi possível reforçar esta rede de proteção social, do ponto de vista da comparticipação e do número de pessoas que são servidas», congratulou-se o ministro.

Segundo o governante que tutela as pastas da Solidariedade, Emprego e Segurança Social, os «cerca de 300 acordos de cooperação» estabelecidos pelo atual Governo representam «mais 40 milhões de euros» investidos na área.

O ministro, que falava aos jornalistas em Aljustrel, à margem da inauguração do novo lar da Santa Casa da Misericórdia local, referiu que, no total, os acordos de cooperação entre o Estado e instituições sociais «chegam aos 13 mil».

«É muito importante reforçar a rede de proteção social que existe ao longo do país, que é uma rede contratualizada entre o Estado e as instituições sociais», justificou.

Por isso, continuou, o «esforço» financeiro do Estado no alargamento desta rede é «feito ao nível central, mas é fundamental para servir mais famílias, especialmente as que têm dificuldades do ponto de vista económico e financeiro».

E, para o Governo do PSD/CDS-PP, «é crucial» apostar na contratualização destes apoios com instituições sociais.

«Muitas vezes, o Estado não tem a capacidade de gestão de proximidade que as instituições sociais têm, sejam elas Instituições Particulares de Solidariedade Social, Misericórdias ou Mutualidades. Temos que dar a estas instituições a capacidade de servirem pessoas», defendeu.