O Bloco de Esquerda (BE) considerou esta terça-feira que a execução orçamental revela «um enorme saque fiscal» e que os sacrifícios dos portugueses estão a ser feitos em benefício dos credores do país.

«Esmiuçando os números, o que vemos é o resultado de um enorme saque fiscal, um ataque brutal aos rendimentos do trabalho, por via do IRS, e por outro lado, o resultado nos cortes dos salários da administração pública», afirmou o líder parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares, em declarações aos jornalistas no parlamento, numa reação à execução orçamental de fevereiro.

O dirigente bloquista criticou ainda a forma como está a ser direcionado o dinheiro resultante do aumento de impostos e corte dos salários, sublinhando que «apenas em dois meses aumentou em 250 milhões de euros o pagamento da dívida pública em relação ao ano anterior».

«Corta-se na vida das pessoas, nos salários, aumenta-se o imposto do trabalho e o resultado é que isso serve para o saque através da dívida pública», criticou.

Para Pedro Filipe Soares, a conclusão que pode ser retirada «é que as pessoas são cortadas nos salários e nos impostos para pagar o saque que a finança está a fazer ao país, essa é a escolha do Governo».