Se formar Governo, o PS diz que "pagará com gosto a fatura" do orçamento do Ministério da Agricultura, num total de 200 milhões de euros em cinco anos, mas considera eleitoralista a medida do atual executivo.

Esta posição consta de uma nota assinada pelo dirigente socialista Luís Capoulas Santos, em reação ao anúncio pela ministra da Agricultura, Assunção Cristas, de que o Governo reforçará em 200 milhões de euros a verba do Programa de Desenvolvimento Rural destinada às medidas agroambientais, para responder ao elevado número de candidaturas.

"O mesmo Governo que apresentou o PDR/2020 há poucos meses e se ‘esqueceu' de o dotar da contrapartida nacional necessária, resolveu agora, a 23 dias das eleições, reforçar o orçamento do Ministério da Agricultura em 40 milhões de euros por ano, durante os próximos cinco anos. Uma fatura que o governo do PS pagará com gosto, obviamente".


Segundo Assunção Cristas, o Governo está "em condições de anunciar que será reforçado o PDR, que é o programa de fundos comunitários de apoio à agricultura, em 200 milhões de euros, que provêm do Orçamento do Estado, para acomodar todas as candidaturas às medidas agroambientais", passando a um total de 774 milhões de euros.

Inicialmente estava prevista uma dotação de 574 milhões de euros para esta área, que inclui a ajuda à agricultura biológica, ao modo de produção integrado, ao uso eficiente da água e às culturas tradicionais de sequeiro, como o castanheiro, o olival ou o amendoal.