O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, disse hoje, na Encumeada, na Madeira, no jantar comemorativo dos 95 anos do partido, que o apoio ao Governo do PS dependerá das medidas adotadas pelo executivo de António Costa.

"Nós fizemos uma posição conjunta com o PS mas esta posição conjunta, definindo o grau de convergência, define o grau de compromisso", declarou, sublinhando que o PCP dará "uma contribuição em tudo o que for positivo para os trabalhadores e para o povo e estará contra as medidas que sejam contra os trabalhadores e o povo, venham elas de onde vierem".

Jerónimo de Sousa referiu que o país tem "um orçamento melhor" do que aquele que o PSD e o CDS apresentariam caso estivessem no Governo:

"Ainda bem que não foi porque os portugueses sentiram um alívio muito grande por ver esta gente pelas costas que infernizou as suas vidas durante quatro anos"

O líder comunista lamentou que o PS não tenha aceitado a proposta de aumento em 10 euros nas pensões e reformas mas sublinhou que o PCP "não desiste desta batalha" na Assembleia da República e fora dela.

O jantar marcou o regresso do coordenador regional do PCP na Madeira, Edgar Silva, à intervenção política depois das eleições presidenciais.

"Saiu Alberto João jardim, entrou Miguel Albuquerque mas continua exatamente a mesma lógica de governação, sem projeto", disse o ex-candidato presidencial apoiado pelo PCP.