em entrevista à TVI

"Esperávamos ouvir do PS, em relação a questões de fundo e problemas dramáticos, a necessidade de uma rutura com este caminho para o desastre e uma política alternativa, mas encontramos o PS comprometido, nas suas propostas, com o Tratado Orçamental, em recusa da renegociação da dívida e seu serviço, com uma diferenciação de ritmo em relação às privatizações."


"Nas eleições para o Parlamento Europeu (25 de maio de 2014), ultrapassámos de longe essa percentagem (de 10% dos votos). Também nas eleições da Madeira (29 de março), mais votos, mais percentagem, mais mandatos. São elementos que nos levam a ter esta confiança, um pouco por todo o país, nos contactos com populações, é objetivo, há um bom sentimento. Há muitos portugueses a olharem para a CDU como uma referência."