O Partido Comunista Português (PCP) apresentou esta terça-feira um conjunto de perguntas endereçadas ao antigo presidente da Comissão Europeia Durão Barroso, procurando saber, por exemplo, quando foi informado da situação do BES.

«Enquanto presidente da Comissão Europeia foi informado da situação que se vivia no BES/GES [Grupo Espírito Santo]? Quando e em que circunstâncias?», interrogam os comunistas, num bloco de oito perguntas endereçadas a Barroso.


O PCP pretende também saber se a troika, antes de sair de Portugal, «conhecia a situação» no banco e no grupo.

«Confirma a afirmação do dr. Carlos Moedas (…) sobre as preocupações em resolver o problema do BES só depois de terminada a intervenção da ‘troika' em Portugal?», é perguntado.


Também hoje os comunistas apresentaram um conjunto de perguntas ao construtor José Guilherme, procurando, por exemplo, confirmar o pagamento de um presente de 14 milhões de euros ao antigo banqueiro Ricardo Salgado.

«Qual a sua relação com o BES Angola (BESA)? Que créditos obteve do BESA na sua atividade em Angola? Como eram decididos esses créditos, nomeadamente como era avaliado o risco de incumprimento?», perguntam os comunistas.


A comissão de inquérito teve a primeira audição a 17 de novembro passado e tinha inicialmente um prazo total de 120 dias, até 19 de fevereiro, mas foi prolongado por mais 60 dias.

Os trabalhos dos parlamentares têm por objetivo «apurar as práticas da anterior gestão do BES, o papel dos auditores externos e as relações entre o BES e o conjunto de entidades integrantes do universo do GES, designadamente os métodos e veículos utilizados pelo BES para financiar essas entidades», como cita a Lusa.