O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, criticou este sábado a forma como são analisadas as sondagens relativas à intenção de voto nas próximas Eleições Legislativas, considerando que têm por objetivo "formatar a cabeça dos portugueses".

"As sondagens procuram formatar a cabeça dos portugueses e, muitas vezes, são marteladas. Mas, o pior é mesmo a ‘martelagem’ em relação à interpretação dessas sondagens que são publicadas", alegou.


Na sua intervenção no final de um almoço da CDU, que decorreu em Avões, no concelho de Lamego, Jerónimo de Sousa aludiu a "uma sondagem hoje publicada, [que dá] 34 pontos e qualquer coisa à direita, com PSD e CDS juntos".

"A comparação que fazem é que está próxima do Partido Socialista, mas a questão e análise que deveriam fazer é que esse PSD e CDS, que agora se apresentam com 34 por cento, tiveram há quatro anos mais de 50 por cento dos votos", sustentou.


No seu entender, esta sondagem demonstra que "a derrota da direita é um facto real", numas eleições em que vão "tentar responsabilizar-se uns aos outros pelas malfeitorias que foram realizadas".

O líder do PCP abordou também "o último debate sobre o estado a nação", em que PSD e PS utilizaram "uma linguagem bíblica, em que um acusava o outro de sete pecados e o outro das pragas".

"O que temos como ideia é que, entre pragas e pecados, nem uns nem outros se salvam. Nem que tenham de fazer, ler ou de se benzer, ou até cantar 100 'padres nossos', mas nem um nem outro se absolvem aos olhos dos portugueses, porque tanto uns como outros são responsáveis pela situação que vivemos", defendeu.


A iniciativa de hoje da CDU está inserida nas ações de contacto com organizações e população, no âmbito da Campanha "A Força do Povo, Soluções para um Portugal com Futuro".