O secretário-geral do PCP desejou esta quinta-feira que a Assembleia da República (AR) seja capaz de comemorar condignamente o 40.º aniversário da Revolução dos Cravos, sem recorrer a «entidades exteriores», como sugerido pela segunda magistrada da Nação, Assunção Esteves.

«O que nós defendemos é que a AR assuma com particular responsabilidade um nível de comemorações que estejam ao nível da dignidade dos 40 anos da Revolução de Abril», defendeu Jerónimo de Sousa, na sede comunista, em Lisboa.

A presidente da AR transmitiu recentemente aos grupos parlamentares a ideia de recorrer ao mecenato (patrocínios) para realizar algumas das ações previstas para o 25 de Abril, nomeadamente a instalação de chaimites com cravos, sob responsabilidade da artista plástica Joana Vasconcelos.

«Que a comissão ou grupo de trabalho que possam ser criados (para o efeito) encontrem formas dessa dignificação, contando com os meios próprios da AR. Achamos que a AR tem condições para ser protagonista e não estar dependente de entidades exteriores para essas comemorações, que Abril merece», concluiu.