Na sua intervenção, de cerca de 40 minutos, Paulo Portas quis ainda criticar o PS, de quem disse que mudou de líder três vezes desde a chamada da troika sem provar que terá no futuro um política diferente, e quis também responder a críticas, nomeadamente vindas de «setores amigos» e da sua «boa amiga Manuela Ferreira Leite».

«Ouvi recentemente [na TVI24] à minha boa amiga Manuela Ferreira Leite, que não se pode cruzar a informação com transparência como se fez no rendimento mínimo, para saber se quem o recebe, recebe justamente e deve continuar a receber, está em situação de pobreza e deve ser ajudado, ou se quem o está a receber tem outros rendimentos e beneficia de alguma tolerância geral para acumular subsídios, não pagar impostos, ter alguma economia paralela e ficar com um rendimento melhor do que é um trabalhador menos qualificado, que paga os seus impostos e tem que tocar para a frente, todos os dias, a vida da sua família», afirmou.

«A mim, parece-me muito justo que haja este cruzamento para distinguir o que é justo do que é abuso e muito me surpreende que a minha
boa amiga Manuela Ferreira Leite não pense o mesmo», disse.

Dirigindo-se ao PS, afirmou que «o partido que trouxe a troika a Portugal já mudou de líder três vezes», mas ainda não mostrou "se mudou de política".

De acordo com Portas, «saber se o PS faria o mesmo que fez em 2011 é absolutamente crucial, nomeadamente para os interesses da classe média portuguesa».

«O PS congelou o salário mínimo, no nosso tempo o salário mínimo terá o primeiro aumento. O PS lançou a CES [Contribuição Extraordinária de Solidariedade] sobre os aposentados, no nosso tempo a CES é removida. O PS iniciou o declínio dos salários da Função Pública, no nosso tempo a primeira recuperação acontecerá em janeiro. E o PS congelou as pensões mais baixas, no nosso tempo as pensões mais baixas foram sempre atualizadas», afirmou Portas.

«Dói-lhes ouvir isto, mas são verdades como punhos e é importante que a maioria o saiba transmitir porque sinais de que a situação do país foi progredindo apesar de todas as dificuldades«, disse.