«É um sinal de que Portugal readquiriu a sua independência, o que eu considero um bem essencial», afirmou Paulo Portas.




«Só pede para reembolsar os empréstimos que pediu quem consegue ter confiança para se financiar nos mercados», referiu.