O ainda líder do CDS-PP, Paulo Portas, está preocupado com a ideia de que "é tudo para desfazer ou para voltar atrás", salientando que todos os responsáveis devem ter "o maior cuidado" para garantirem a confiança dos investidores.

"Preocupa-me a ideia de que é tudo para desfazer ou para voltar atrás. Preocupa-me que se volte atrás na TAP, que se volte atrás nas concessões dos transportes, que se volte atrás na reforma laboral, que se volte atrás na descida do IRC", disse Paulo Portas, neste sábado, durante a inauguração do Portugal Industries Center (PIC), na Batalha, distrito de Leiria.

Falando para uma plateia repleta de empresários, o líder centrista vincou a ideia de que se tem de continuar a garantir "balanças comerciais positivas", num discurso onde a palavra confiança esteve muito presente.

Centrando-se nessa "palavra essencial que os empresários conhecem", Paulo Portas afirmou que a confiança é algo que "todos os responsáveis devem ter o maior cuidado".

"Confiança é a base do investimento e o investimento é a base do crescimento e a condição do emprego. Se lá fora ou cá dentro ficarem com dúvidas sobre a confiança que podem ter, não nas empresas portuguesas, mas nos responsáveis políticos portugueses, isso não ajuda a economia e não ajuda as nossas empresas", realçou o ex-vice-primeiro-ministro.

Para Paulo Portas, é fundamental "proteger e dinamizar a confiança" e garantir que Portugal é um país atrativo "para portugueses e estrangeiros investirem".

"É preciso ter confiança nas nossas empresas e não desconfiar dos empreendedores e perceber que sem empresas não há crescimento nem emprego", referiu.

Na inauguração do Portugal Industries Center, na Batalha, esteve também presente a ex-ministra da Agricultura e candidata à liderança do CDS-PP, Assunção Cristas.

O PIC é um espaço destinado a promover a produção nacional, que inclui uma exposição em que estão representadas 150 empresas e 1.300 produtos fabricados em Portugal.
 

A determinação de Cristas e a generosidade de Melo


Paulo Portas elogiou a candidata à liderança do partido Assunção Cristas pela "abrangência do projeto que defende", realçando também a generosidade de Nuno Melo, que optou por não se candidatar.

Apesar de não manifestar formalmente o seu apoio à candidatura de Assunção Cristas à liderança do CDS-PP, Paulo Portas sublinhou que a ex-ministra da Agricultura, que o acompanhou neste evento na Batalha, "mostrou determinação, que é essencial na política".

O ex-vice-primeiro-ministro disse que o eurodeputado Nuno Melo "mostrou não apenas o valor que ele dá à coerência da sua palavra, como mostrou também generosidade, que é um valor importante em política".

O CDS-PP, no seu entender, está a dar "um belíssimo exemplo de maturidade e de sentido de responsabilidade" nesta transição de liderança, mostrando-se confiante "na nova geração" do partido.

"A forma como os militantes e dirigentes do CDS mostraram nas últimas semanas sentido de compromisso e responsabilidade, procurando soluções de unidade" e "soluções fortes" deixa Portas "tranquilo".

O líder do CDS criticou ainda as "disputas e discórdias" que se veem nos partidos. Disputas essas de "quem está muitas vezes a olhar apenas para dentro do partido", apontou, considerando que, nesta transição, os militantes do partido que lidera optaram por focarem a sua atenção "para o país concreto".

Paulo Portas falava aos jornalistas depois de ter participado na inauguração do Portugal Industries Center (PIC), na Batalha, com Assunção Cristas sentada ao seu lado - "uma feliz coincidência", notou.

Sobre a candidata à liderança do partido, Portas não se absteve a elogiar sob o ponto de vista do exercício das suas funções enquanto ministra da Agricultura, vincando que "há muito tempo que não havia uma política agrícola tão forte", marcada pela recuperação da importância deste setor e pela "valorização do mundo rural".

Já Assunção Cristas, em declarações à comunicação social, recordou "a grande parceria" que teve com Portas, enquanto membros do mesmo Governo, mas recusou-se a tecer comentários em torno da candidatura e de um eventual apoio do atual líder do CDS.

A deputada eleita pelo círculo de Leiria focou o seu discurso em torno do PIC, elogiando este espaço destinado a promover a produção nacional, na Batalha, que inclui uma exposição em que estão representadas 150 empresas e 1.300 produtos fabricados em Portugal.

Assunção Cristas e Paulo Portas fizeram uma visita pelo PIC, encontrando produtos tão diversos como licores, plásticos, calçado, roupa para bebés, capotes alentejanos, vinho ou fertilizantes.

No local, o líder do CDS descerrou uma placa que marca a inauguração do espaço, com o seu nome ligado à frase "Não tenham medo. Grandes desafios são grandes oportunidades".