O líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, considera que Paulo Portas «foi prudente» em não excluir uma coligação pré-eleitoral com o PSD nas próximas legislativas.

«Paulo Portas foi prudente em não fechar desde já a estratégia do partido para as próximas eleições legislativas pela simples razão que se realizarão em outubro de 2015 e que, por isso, falta muito tempo», considerou Nuno Magalhães, em declarações à Agência Lusa.

O líder parlamentar e membro da direção centrista destacou que, «pela primeira vez», Paulo Portas admite numa moção ao Congresso a possibilidade de haver «uma coligação pré-eleitoral».

«Eu diria que a novidade não é tanto escrever que o normal é os partidos concorrerem sozinhos porque essa tem sido a prática dos últimos 30 anos mas sim em admitir que, por razões fundamentadas, pode haver uma coligação pré-eleitoral», afirmou Nuno Magalhães.

Na moção que apresentará ao 25.º Congresso do CDS-PP, Paulo Portas referiu que «o normal e expectável, em eleições legislativas, é cada partido apresentar-se autonomamente». No entanto, acrescentou que «havendo um Governo de coligação, razões muito fundamentadas podem justificar a formulação de alianças, que podem revestir diversas fórmulas».

Recentemente, o primeiro-ministro e líder do PSD, Pedro Passos Coelho, disse, sobre o mesmo tema, «ser natural» que os dois partidos concorrerem coligados às legislativas de 2015, apesar de frisar ainda não ter falado com Paulo Portas sobre a matéria.