O ex-líder do CDS-PP Paulo Portas afirmou este sábado que não é uma "atribuição de Portugal explicar aos angolanos como é que eles devem ser angolanos", defendendo que "esse tempo passou quando o império caiu".

Juntamente com o socialista António Vitorino, Paulo Portas participa hoje à noite na Escola de Quadros do CDS-PP, que decorre até domingo em Peniche, no jantar conferência sobre "Desafios de Portugal no presente contexto internacional", onde começou por assegurar que as opiniões que ia expressar seriam "apenas e só sobre política externa".

O antigo vice-primeiro-ministro realçou que há "em Angola mais de 100 mil portugueses, duas mil empresas nacionais e cerca de 10 mil empresas a exportar" e por isso dá razão à escola diplomática que entende que a missão do Estado português é defender os interesses de Portugal e "não têm razão os que acham que é uma atribuição de Portugal explicar aos angolanos como é que eles devem ser angolanos".

Esse tempo passou quando o império caiu", disse, avisando que se Portugal não assumir a sua posição em termos económicos outros países vão tomar essa parte.

Portas foi perentório: "quem sabe o futuro dos angolanos, são os angolanos. Respeitemos isso".

A meio de agosto, Paulo Portas esteve a título pessoal no congresso do MPLA, em Luanda, no qual as declarações do deputado do CDS-PP Hélder Amaral sobre uma maior proximidade entre os dois partidos, que têm agora "muitos mais pontos em comum", motivaram críticas de membros do partido.

Na altura, o antigo líder centrista desvalorizou esta a polémica e explicou que o seu plano é o "das relações do Estado português".

Com a exceção do BE, PEV e PAN, todos os restantes partidos com assento parlamentar enviaram delegações ao congresso do MPLA.