O presidente do CDS-PP, Paulo Portas, voltou a criticar o que considera ser o abuso selvagem do direito à greve e disse que o primeiro-ministro, enquanto autarca de Lisboa, também condenou a "greve egoísta do lixo".

"Toda a vida respeitei o direito à greve, toda a vida apoiei os sindicatos e os sindicalistas que aceitam sentar-se à mesa e fazer negociações em defesa dos seus associados, o que não considero aceitável é o abuso, às vezes selvagem, do direito à greve", afirmou Paulo Portas quinta-feira à noite, numa intervenção no jantar de Natal da concelhia de Lisboa do partido.


O líder centrista sublinhou que tem, aliás, "boa companhia nessa matéria".

"Lembram-se do que dizia o doutor António Costa quando teve uma greve egoísta do lixo em Lisboa? É exatamente o que eu digo da greve egoísta dos estivadores, que está a prejudicar gravemente as nossas exportações e a nossa economia. A diferença é que eu sou coerente", declarou.