"O que eu faço é um apelo: pensem no país, pensem no turismo, pensem na economia, pensem na vossa empresa. A TAP é importante, não contribuam para a destruir. A TAP é importante hoje e amanhã. Não façam greves de 10 dias num mês, isso dá cabo da tesouraria de uma empresa", disse Paulo Portas.

O vice-primeiro-ministro, que falava aos jornalistas durante uma visita à feira agropecuária Ovibeja, a decorrer até domingo, em Beja, disse que "o país inteiro censura" a greve de 10 dias que os pilotos da TAP marcaram: "Acho que o país inteiro censura aquilo que é um abuso".

"A TAP é uma grande companhia e uma marca muito importante para Portugal. Não confundo a direção de um sindicato com o profissionalismo dos pilotos", referiu Paulo Portas.

Os pilotos da TAP marcaram uma greve, entre 01 e 10 de maio, por considerarem que o Governo não está a cumprir o acordo assinado em dezembro de 2014, nem um outro, estabelecido em 1999, que lhes dava direito a uma participação no capital da empresa no âmbito da privatização.