O deputado do CDS-PP Hélder Amaral deseja um «bom debate» na quinta-feira, no parlamento, com a presença do vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, sobre os vistos dourados, considerando-os um «instrumento económico importante».

«Esperamos um bom debate sobre os vistos ‘gold', um instrumento que trouxe para a economia portuguesa um conjunto de investimentos relevantes e retirou mesmo o setor do imobiliário da recessão e, ao contrário do que alguns querem fazer crer, as casas precisam de ser recuperadas, vendidas e habitadas e isso tem impactos na economia», disse, frisando a «disponibilidade imediata» de Portas.

A presença do também presidente do CDS-PP na Assembleia da República, a partir das 16:00, foi requerida pelo grupo parlamentar comunista na sequência da investigação sobre corrupção relacionada com os vistos dourados e que já levou à demissão do ministro da Administração Interna, Miguel Macedo.

Para o parlamentar centrista, o visto dourado «gera emprego, de forma indireta» e «o setor da construção é um conjunto relevante da economia que mexe», merecendo esta iniciativa um «debate profundo, sério, claro» sobre um «instrumento importante utilizado não só por Portugal, que aqui jogou com as mesmas armas».

A Operação Labirinto originou a detenção de 11 pessoas, entre as quais o diretor nacional do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), Manuel Jarmela Palos, a secretária-geral do Ministério da Justiça (MJ), Maria Antónia Anes, e o presidente do Instituto dos Registos e Notariado, António Figueiredo, várias das quais com relações pessoais ou profissionais próximas de Macedo.

Na segunda-feira à noite, o juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal de Lisboa decidiu que cinco dos 11 arguidos do caso dos vistos ´gold' ficam em prisão preventiva, mas três deles podem ver a medida convertida em pulseira eletrónica.