O presidente do CDS-PP disse no sábado que o partido sempre contribuiu para a governabilidade de Portugal «nos tempos mais difíceis», nomeadamente quando «a casa estava a arder».

«O CDS sempre contribuiu para a governabilidade do país nos tempos mais difíceis. Nas três vezes em que o fez, a casa estava a arder e era preciso arrumá-la», referiu o líder centrista.

Paulo Portas, que se deslocou a Abrantes para a tomada de posse dos órgãos da Distrital de Santarém do partido, disse que o CDS-PP tem hoje consciência de que «uma certa pacificação interna melhora a imagem do partido».

«Nestes últimos três anos, o CDS foi chamado ao Governo quando o país entrou em protetorado. Um Governo irresponsável assinou um contrato com credores e fomos obrigados a governar em emergência», sublinhou.

Portas disse ainda que os democratas-cristãos tudo farão «para que a entrada de credores tenha acontecido pela última vez».

No dia em que o CDS-PP comemora os 40 anos, o líder centrista lembrou que o partido nasceu apesar do Processo Revolucionário em Curso (PREC), «nasceu votando contra a Constituição» e «teve muitas vezes razão antes do tempo».

«Tudo o que nós somos foi conquistado com o nosso esforço. Nada nos foi dado», sublinhou.

Segundo Portas, atualmente o partido tem 34 mil militantes. O responsável deixou em Abrantes o apelo para que cada um faça um esforço de crescimento e de aumento da militância.

«O CDS tem muito mais militantes do que alguns pensam, queria pedir a cada um de vós que traga mais um militante. Vamos chegar ao final do ano com 40 mil militantes, no ano em que comemoramos os 40 anos. O CDS não desistiu de crescer nem desistirá de crescer», enfatizou.