A ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, afirmou este sábado não ser intenção do Governo impor «mais sacrifícios» para a população e que, neste momento, aguarda uma decisão do Tribunal Constitucional (TC) e não um novo aumento de impostos.

«Nós teremos que aguardar com serenidade uma decisão do TC e nessa altura aferir quais as medidas que teremos que tomar. Esperemos que não tenhamos de fazer mais sacrifícios. Isso seria a última coisa que gostaríamos de ver. Tenho a certeza que não está na intenção do Governo», afirmou a ministra aos jornalistas.

Depois da sua intervenção na Universidade Política de Lisboa, promovida pela concelhia da JSD da capital, Paula Teixeira da Cruz referiu a necessidade de «manter um país livre, social-democrata, com redistribuição».

Na insistência da questão sobre como encararia mais carga fiscal, a responsável pela pasta a Justiça respondeu: «Eu não estou a encarar um novo aumento de impostos, neste momento. Estou à espera de uma decisão do TC».

No debate quinzenal, na sexta-feira, o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, admitiu uma subida de impostos se as propostas de poupança do lado da despesa voltarem a ser chumbadas pelo Tribunal Constitucional.

«Se medidas importantes que nos permitem criar poupanças do lado da massa salarial, não tiverem conformidade constitucional, novos aumentos de impostos ocorrerão», disse o governante.

Durante a sua intervenção na Universidade Política, a ministra da Justiça sublinhou que a nível de apreciações constitucionais de leis, não se coloca o problema nos modelos, mas na jurisprudência.

Explicando que a fiscalização pode ser feita por um Tribunal Constitucional ou numa seção de um Supremo Tribunal de Justiça, Paula Teixeira da Cruz disse que as «i