O cabeça de lista da Aliança Portugal, Paulo Rangel, considerou nesta sexta-feira que a queixa do PS à Comissão Nacional de Eleições (CNE) por inaugurações e projetos apresentados pelo Governo durante a campanha é «mais um sinal de desespero».

«O PS está desesperado. Se alguém viu inaugurações por aí, eu não vi nenhuma. Se alguém viu, até gostava de saber quais são porque ninguém deu por elas», afirmou Paulo Rangel aos jornalistas.

Ao lado do primeiro candidato do CDS-PP, Nuno Melo, Paulo Rangel falava no final de uma visita a uma fábrica, em Penafiel.

«Mas seja como for, isso é um sinal de desespero do PS. O PS está neste momento, com a dramatização que está a fazer, com a nacionalização da campanha, a procurar enganar os portugueses, quando estas são eleições europeias», disse.

«Basta ver os dirigentes, a maneira como eles falam. Acho que eles estão de facto preocupados. As tais ilações políticas, devem estar preocupados, porque são eles que as vão ter que tirar, não vamos ser nós», acrescentou, numa referência às afirmações do cabeça de lista socialista, Francisco Assis, de que o Governo e o Presidente da República devem tirar ilações políticas caso a coligação PSD/CDS-PP sofra uma clara derrota no próximo domingo.

O PS anunciou hoje a apresentação de uma queixa na Comissão Nacional de Eleições devido ao número de inaugurações e projetos apresentados pelo Governo durante a campanha das eleições europeias.

De acordo com o dirigente socialista António Galamba, membro do secretariado nacional do PS, o Governo tem violado o dever de neutralidade e imparcialidade durante as campanhas eleitorais, sendo que a queixa à CNE visa dar «uma lição para o futuro».