O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmou esta segunda-feira que a próxima legislatura deve implicar a consolidação da reforma «Defesa 2020», o que vai demonstrar a «relevância e indispensabilidade da Defesa Nacional e das suas Forças Armadas».

«Como todas as grandes reformas, também a reforma «Defesa 2020», pela sua abrangência, complexidade e especificidade, deve continuar a ser executada a avaliada», disse.


E, continuou Passos Coelho, «a próxima legislatura deve trazer a sua consolidação, o que tornará ainda mais patente diante do país a relevância e a indispensabilidade da defesa nacional e das suas Forças Armadas».

Aludindo à reforma estrutural da defesa nacional e das Forças Armadas, designada «Defesa 2020», o primeiro-ministro discursava em Fronteira, no distrito de Portalegre, durante as cerimónias dos 631 anos da Batalha dos Atoleiros, como reporta a Lusa.

Ocorrida a 6 de abril de 1384, no sítio pantanoso de Atoleiros, entre Fronteira e Sousel, esta batalha saldou-se com uma vitória de Portugal sobre Castela.

Nuno Álvares Pereira venceu a cavalaria castelhana, apesar de se apresentar na contenda em menor número, utilizando pela primeira vez a tática do quadrado.

Da parte portuguesa não se registaram mortos, nem feridos, ao contrário dos invasores que sofreram pesadas baixas.