Pedro Passos Coelho disse ao jornal Expresso que PSD e CDS podem fundir-se num só grupo parlamentar após as eleições de domingo.

A hipótese, admitiu o líder da coligação "Portugal à Frente", está a ser pensada para ultrapassar problemas constitucionais.

Passos acredita que quem tiver mais deputados será convidado a formar Governo, mas, se o PS tiver mais deputados do que o PSD sozinho, unir os grupos parlamentares pode ser a forma de evitar "querelas constitucionais".

“Se constitucionalmente se instalasse uma querela, formaríamos até um grupo parlamentar em conjunto”, assumiu.

Em todo o caso, o ainda primeiro-ministro confia na decisão pós-eleitoral de Cavaco Silva.

“O senhor Presidente da República não tem dúvidas sobre quem foi a eleições (a coligação), os dois partidos estão de boa fé e o normal é olharmos para os deputados dos dois partidos e vermos quanto é que eles somam”, afirmou ao semanário.