O primeiro-ministro português salientou esta quinta-feira «a personalidade de exceção» que foi o cardeal José Policarpo, que faleceu na quarta-feira.

Passos Coelho falava à entrada da Sé de Lisboa, onde foi, como afirmou aos jornalistas, «expressar toda a consideração da sociedade portuguesa» à figura da Igreja que foi José Policarpo, que «ultrapassou as nossas fronteiras».

«O Governo decidiu decretar luto nacional no dia do seu funeral [sexta-feira], prestando uma homenagem à extraordinária figura que ele foi, mas ajudamos também todos aqueles que lhe querem prestar uma última homenagem, a poderem fazê-lo com toda a dignidade expressando a enorme consideração e o sentimento de perda que a sociedade portuguesa hoje sente», afirmou.

O primeiro-ministro disse ter conhecido o patriarca emérito, de quem guarda «uma memória, muito, muito positiva», salientando a «carreira distintíssima» de José Policarpo, que era «uma personalidade também muito apreciada fora de Portugal».

«Um homem de fé, ligado à universidade, à vida e ao mundo intelectual sem por isso deixar de ser um homem bom, de grande bondade, conversador, com grande sentido de humor, sofisticado e simples», destacou.

Para Passos Coelho, o cardeal falecido na quarta-feira, aos 78 anos, é «alguém que se distinguiu no exercício das suas funções, mas como pessoa foi sempre um homem tolerante, um homem do seu tempo».

O corpo do cardeal José Policarpo está a ser velado na Sé de Lisboa, onde foi hoje celebrada missa de exéquias. A urna é escoltada por Cavaleiros da Ordem do Santo Sepulcro.

Entre as centenas de pessoas que se dirigiram, hoje, à Sé, para prestar homenagem a José da Cruz Policarpo, além de Pedro Passos Coelho, estiveram também os ex-presidentes da Assembleia da República António de Almeida Santos e João Mota Amaral, o ex-Presidente da República Jorge Sampaio e a presidente da Fundação Pro Dignitate, Maria Barroso.

José da Cruz Policarpo morreu quarta-feira, aos 78 anos, após uma operação a um aneurisma na aorta, num hospital de Lisboa, onde deu entrada depois de se ter sentido mal na manhã de quarta-feira.

O cardeal José Policarpo era patriarca emérito de Lisboa, depois de ter sido patriarca entre 1998 e 2013.

As exéquias, presididas pelo patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, vão ser celebradas na sexta-feira, às 16:00, na Sé de Lisboa.

O corpo segue depois para o Panteão dos Patriarcas, no mosteiro de São Vicente de Fora.