O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, confirmou, este sábado, que enviou a Bruxelas um contributo para aperfeiçoar as instituições europeias e para que possam funcionar melhor no futuro.

O chefe do executivo respondia aos jornalistas, em Bragança, à margem de uma visita à Expo Trás-os-Montes, sobre uma notícia divulgada hoje pelo jornal Público que dava conta de que Passos mudou de discurso e defende maior integração económica e política na contribuição para a reforma da zona Euro enviada a Bruxelas.

“O que o Governo, através de mim, apresentou ao presidente da Comissão Europeia foi uma proposta que visa contribuir para a nossa discussão, em Conselho Europeu, sobre o futuro da União Económica e Monetária”, declarou.


Pedro Passos Coelho afirmou que essa contribuição portuguesa tem sido apresentada por ele “ao longo de muitos meses e foi objeto até de comunicações, quer em Portugal, quer fora”.

“A minha expetativa é que aproveitemos estas lições da crise para gerir melhor as situações futuras, para dar alguma estabilidade à zona euro, desde logo, mas também aperfeiçoar as nossas instituições europeias”, continuou.

Para o primeiro-ministro português, existem agora “condições de fazer a avaliação de como é que funciona a moeda única e tirar algumas conclusões”.

“O que nós pretendemos é tirar a nossa conclusão desse processo e contribuir para que a União Económica e Monetária possa funcionar melhor para futuro como eu estou convencido que pode funcionar”, afirmou.
 

PM espera que ligação de avião entre Bragança e Algarve regresse no verão


Durante a visita à Expo Trás-os-Montes, Pedro Passos Coelho, aproveitou para dizer que espera que a nova ligação aérea entre Bragança e o Algarve esteja a funcionar no verão.

A fase de apresentação de propostas terminou a 28 de maio e apenas uma empresa avançou, a Aerovip, que já fazia a carreira aérea Bragança/Vila Real/Lisboa suspensa em 2012 com o argumento de que a Bruxelas não autorizava o modelo de financiamento que vigorou durante 15 anos.

O previsto é que o avião regresse nos mesmos moldes de financiamento, mas com um percurso diferente do anterior que vai de Bragança, a Vila Real, Viseu, Tires e Portimão.

Passos Coelho espera que o avião regresse no verão, admitindo que “foi um processo demorado, mas finalmente foi possível lançar o concurso depois de cumprir todos os requisitos com a Comissão Europeia”.

“Espero que esta ligação esteja a funcionar e que finalmente as pessoas de todas estas regiões tenham a possibilidade de retomar uma ligação que fazia realmente muita falta, mas que nós não conseguimos que estivesse operacional mais cedo”, declarou.

A adjudicação do serviço ainda está pendente do visto do Tribunal de Contas.

A carreira aérea será subsidiada durante três anos com 7,8 milhões de euros atribuídos diretamente à operadora.