O PCP considerou esta sexta-feira que as respostas dadas pelo primeiro-ministro sobre a sua relação com o sistema de Segurança Social «adensam as suspeições» e requerem uma avaliação do Presidente da República sobre a ausência de regular funcionamento das instituições.

Esta posição foi transmitida pelo presidente do Grupo Parlamentar do PCP, João Oliveira, após o primeiro-ministro ter respondido ao seu requerimento com nove perguntas sobre a atuação de Pedro Passos Coelho perante a Segurança Social no período entre 1999 e 2004.
 

«As respostas do primeiro-ministro não esclarecem cabalmente a situação e, pelo contrário, adensam um clima de dúvida e de suspeição relativamente à existência de dois pesos e duas medidas no cumprimento das obrigações perante a Segurança Social.

Estamos perante um problema político que atinge o regular funcionamento das instituições e exige do Presidente da República uma avaliação sobre as reais condições para este Governo continuar em funções».


Já o PS considerou que o conjunto de respostas revela um «comportamento incompreensível e inaceitável», que deverá ser penalizado pelos portugueses nas eleições.

«O conjunto de respostas revela um comportamento incompreensível e inaceitável por parte do primeiro-ministro», declarou Vieira da Silva, mostrando a convicção de que «serão os portugueses a demitir» Pedro Passos Coelho nas próximas eleições legislativas.