Pedro Passos Coelho, Paulo Portas e António Costa vão reunir-se nesta sexta-feira, às 9:00, na sede do PSD, em Lisboa.

Um encontro que se realiza após a vitória sem maioria da coligação Portugal à Frente nas Legislativas e numa altura em que os líderes do PSD e do CDS-PP procuram promover junto do Partido Socialista "uma cultura de diálogo, de compromissos" que assegure " estabilidade para governar", como afirmou Passos Coelho na quarta-feira.

Para o candidato social-democrata a primeiro-ministro, faz sentido procurar no PS "as condições de viabilização dos documentos que contêm a estratégia orçamental do país que podem e devem ser apresentados em nome de Portugal à União Europeia e à Comissão Europeia, que compreendem quer o Orçamento do Estado quer o Programa de Estabilidade".

Antes desta reunião, já António Costa falou com o PCP. O encontro com o Bloco de Esquerda chegou a estar marcado para esta quinta-feira, mas foi adiado para a próxima segunda-feira.

Na terça-feira, o Presidente da República revelou que encarregou Passos Coelho de desenvolver diligências "com vista a avaliar as possibilidades de constituir solução governativa". 

Numa comunicação ao país, Cavaco Silva sublinhou que nenhuma força política teve maioria de mandatos no Parlamento e que a solução governativa a ser encontrada por Passos tem de assegurar a estabilidade política e a governabilidade do país.

As audiências do Presidente da República aos partidos que conquistaram representação parlamentar nas eleições de domingo vão acontecer na próxima semana, tendo o chefe de Estado optado por reunir-se apenas com Passos Coelho nesta semana. 

No domingo, a coligação Portugal à Frente (PSD/CDS-PP) venceu as eleições com 38,55% (104 deputados), o PS conseguiu 32,38% (85 deputados), o BE subiu a terceira força política com 10,22% (19 deputados), a CDU alcançou 8,27% (17 deputados) e o PAN vai estrear-se no parlamento, com um deputado, 1,39% dos votos. Faltam, ainda, apurar os votos dos emigrantes.