O primeiro-ministro afirmou hoje esperar que a greve na TAP não impeça a privatização da empresa e considerou que os pilotos devem pensar nas suas ações, reiterando que o Governo não vai intervir no processo.

Em declarações aos jornalistas, no Museu da Eletricidade, em Lisboa, Pedro Passos Coelho disse esperar que a greve dos pilotos da TAP não tenha "o resultado mais indesejado de todos, que era o de nem se conseguir fazer a privatização da TAP nem se poder defender o emprego na TAP e a sua função tão importante para a economia nacional".

Passos Coelho, que falava durante uma iniciativa da Fundação EDP, reiterou que "o Governo não vai interferir nesse processo" e que o recurso à requisição civil está "fora de hipótese", declarando: "Não vamos andar a fazer requisições civis de cada vez que alguém quiser fazer uma greve, não é para isso que existe a requisição civil. Os pilotos devem pensar nisso. Não é o Governo, são os pilotos é que devem pensar nisso. E eu espero que pensem maduramente nisso".