O líder do PSD afirmou, nesta terça-feira, não ter razões para retirar aquilo que disse sobre o ministro da Educação em relação à polémica da revisão dos contratos de associação com escolas privadas, considerando ter sido "muito claro".

Creio que fui muito claro quando falei na semana passada e não tenho nenhuma razão para retirar aquilo que disse", afirmou o presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, em declarações aos jornalistas à entrada da escola secundária Frei Gonçalo Azevedo, em São Domingos de Rana, no concelho de Cascais.

Questionado se estava a referir-se à Fenprof quando disse que o ministro da Educação parecia representar outros interesses que não os da comunidade em geral, Passos Coelho disse apenas que entendia ter sido claro.

"Acho que é muito claro", sustentou.

Na segunda-feira, numa conferência de imprensa na residência oficial do primeiro-ministro, a ministra da Presidência, Maria Manuel Leitão Marques considerou que o líder do PSD atacou "todo o Governo" ao falar em interesses na revisão dos contratos de associação com escolas privadas.

Tal como já tinha transmitido no domingo pelo secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, Maria Manuel Leitão Marques classificou como "inaceitáveis, carecendo de todo a qualquer fundamento" as palavras proferidas pelo presidente do PSD no fim-de-semana.

Pedro Passos Coelho "insinuou a existência de outros interesses que não os da educação e das comunidades educativas. O ex-primeiro-ministro deve por isso concretizar as suas graves afirmações - tanto mais graves quanto o trabalho efetuado se pauta por uma absoluta transparência e rigor", contrapôs a ministra da Presidência.

No sábado à noite, no Porto, o líder do PSD lançou críticas ao ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, acusando-o de servir “outros interesses”, os quais não concretizou.

“Levando longe esta consequência sobre a decisão que a maioria tomou, seríamos levados a pensar que aquilo que o ministro da Educação – formalmente ministro da Educação, porque, na prática, começamos a ter dúvidas de que seja mesmo ministro da Educação- parece que ele representa outros interesses que não são os da comunidade em geral”, disse então Passos Coelho.

O líder do PSD dedica esta terça-feira o dia à Educação e, depois da escola de São Domingos de Rana, irá ainda visitar a escola Salesiana de Manique, em Alcabideche, também no concelho de Cascais.

Ao final da tarde, o presidente do PSD tem um encontro com o Conselho Nacional de Educação, em Lisboa.