O presidente do PSD e primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, defendeu esta quinta-feira que a privatização da TAP protege o serviço público e acusou a esquerda de ter um "programa estrutural de reversão da economia", que apelidou de "reviralho".

"Nós nos últimos anos fizemos reformas importantes. Ainda hoje, a privatização da TAP, que será assinada pela Parpública, representa o fim de um ciclo decisivo para Portugal para proteger o serviço público, pondo com dono empresas que tinham um dono que não cuidava delas e por isso eram os portugueses que pagavam os seus défices e os seus desmandos", afirmou Pedro Passos Coelho.


Na sequência desta afirmação, Passos afirmou: "Há quem diga que o Comité Central do PCP não resistiu à CGTP, porque a CGTP precisava das empresas de transportes para continuar a viver e precisava de voltar atrás em tudo o que foi a reforma laboral e de contratação e negociação coletiva que nós decidimos para continuar a sobreviver".

"Mas se for assim, se é realmente isto que está em causa, se é reverter medidas estruturais que nós fizemos ao mesmo tempo que tratávamos da emergência, então o que se promete para o país não é o fim da austeridade nem a estabilidade na vida dos portugueses, é um autêntico reviralho", declarou.


Na sua conceção original, o "reviralho" designava a oposição à ditadura saída do golpe de 28 de Maio de 1926 e que deu origem ao Estado Novo.

O líder social-democrata introduziu esta questão ao dizer que a posição comum que adotam PS, BE, PCP e PEV "não é apenas aumentar despesa e reduzir receita para agravar as contas públicas, é também proceder ao maior programa estrutural de reversão da economia portuguesa".

Segundo Passos Coelho, o programa que a oposição promete aplicar se for governo "é o reviralho, e o reviralho não está em condições de garantir a ninguém o crescimento da economia, o progresso social e financiamento do Estado social".

"Não é com o reviralho que nós conseguiremos andar para a frente", acrescentou.


Ainda referindo-se ao programa a aplicar por um eventual governo do PS, o líder social-democrata considerou: "É uma falta de respeito pelos portugueses que não têm dinheiro, que têm menos recursos, portanto, por um país pobre, dizer-se: o que o senhor tem de ser rico, o que senhor tem é de gastar, são os países que mais gastam e que mais ricos são os que mais crescem".

"Olhem-me esta conversa. E dizem que andaram a fazer doutoramentos para fazer esta conversa. Como é que os países pobres em todo o mundo não se lembraram disto? Porque é que o Governo que nos antecedeu não se lembrou disto?", ironizou.