O primeiro-ministro de Portugal, Pedro Passos Coelho, anunciou que tenciona visitar Timor-Leste este ano, por ocasião da Cimeira da CPLP, e que os governos português e timorense vão assinar esta quarta-feira um novo programa de cooperação militar.

Depois de ter recebido o primeiro-ministro timorense, Xanana Gusmão, na residência oficial de São Bento, em Lisboa, Passos Coelho reiterou o apoio de Portugal à entrada de Timor-Leste na ASEAN, associação de nações do sudeste asiático, considerando que isso será benéfico para os empresários de todo o espaço lusófono.

Com Xanana Gusmão ao seu lado, o chefe do executivo PSD/CDS-PP elogiou-o pelo «papel extraordinário» desempenhado na construção da nação de Timor-Leste, que considerou ter sido «capaz de mostrar a todo o mundo que é hoje uma nação bem-sucedida na experiência democrática que encetou».

Numa declaração aos jornalistas, após a qual não respondeu a perguntas, Passos Coelho qualificou «de elevado nível e de excelência» as relações entre Portugal e Timor-Leste e manifestou empenho «no reforço da grande amizade e fraternidade» que liga os povos dos dois países.

«Eu próprio tenho a intenção este ano de participar na cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) que terá lugar justamente em Díli, em data que ainda não está definitivamente acordada», afirmou, em seguida.

«Terei a possibilidade de concretizar uma visita também de caráter bilateral, que será a primeira que um primeiro-ministro português fará a Timor-Leste. E, portanto, transmiti já ao senhor primeiro-ministro a honra que tenho em concretizar essa visita, na sequência do convite que ele próprio me endereçou para esse efeito», acrescentou.

Passos Coelho referiu que, a pedido do primeiro-ministro timorense, o Governo português nomeou um representante diplomático para integrar a comissão de preparação desta Cimeira da CPLP, assinalando que vai ser a primeira realizada na Ásia.

No seu entender, esse vai ser «um evento de enorme simbolismo» para os países lusófonos e uma oportunidade para a comunidade internacional «testemunhar a credibilidade e a maturidade político-diplomática de Timor-Leste».

«Nós temos um orgulho muito grande em poder estar ao lado do povo timorense nestas diferentes fases da sua história mais recente», declarou o chefe do Governo português.

No que respeita à cooperação bilateral, Passos Coelho adiantou que o primeiro-ministro timorense, «que acumula também a pasta da Defesa em Timor-Leste», vai reunir-se esta tarde com o ministro português da Defesa Nacional, José Pedro Aguiar-Branco, e que os dois governos vão assinar um «programa-quadro de cooperação técnico-militar que compreenderá os anos de 2014 a 2016».

Segundo o primeiro-ministro português, os dois governos também vão «intensificar» a cooperação nas áreas da segurança e justiça e «muito proximamente» deverão «assinar um protocolo de cooperação em matérias de águas, saneamentos, drenagem e gestão de resíduos sólidos», quando o ministro timorense das Obras Públicas visitar Portugal.

Passos Coelho disse ainda que «Portugal reitera a sua disponibilidade para continuar a apoiar a prossecução de objetivos definidos pelo Governo de Timor-Leste em matéria de aprendizagem e disseminação do português, com particular atenção para as gerações mais jovens».

A este encontro entre os chefes dos governos de Portugal e de Timor-Leste seguiu-se um almoço em São Bento, no qual estavam previstas as presenças, do lado português, dos ministros de Estado e dos Negócios Estrangeiros, da Defesa Nacional, da Administração Interna, da Justiça, e também do antigo ministro dos Negócios Estrangeiros e atual presidente do Banif Luís Amado - de acordo com o gabinete do primeiro-ministro português, na qualidade de consultor de Xanana Gusmão para a presidência da CPLP.