O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, anteviu hoje que Marcelo Rebelo de Sousa "não terá uma Presidência da República simples", mas contará "com toda a disponibilidade dos portugueses e do PSD", desejando um mandato "auspicioso para os portugueses".

À entrada para a tomada de posse de Marcelo Rebelo de Sousa, que decorre hoje no parlamento, Pedro Passos Coelho falou aos jornalistas, começando por enaltecer o "elevado sentido de Estado" de Cavaco Silva, a quem o país "ficará a dever muito" pela forma "como serviu os países e os portugueses e não se serviu do seu lugar".

"Os tempos em que vivemos não são tempos fáceis. [Marcelo Rebelo de Sousa] Não terá uma Presidência simples, com certeza, mas contará, tenho a convicção, com toda a disponibilidade dos portugueses e do PSD seguramente para que o seu mandato possa significar, para todo o país, um exercício elevado de política, com sentido de Estado, com muita responsabilidade", afirmou.

Passos Coelho aproveitou para dirigir ao futuro Presidente da República "uma saudação muito amiga e muito especial" e "desejar que o seu mandato seja auspicioso para os portugueses".

Na opinião do ex-primeiro-ministro todos os Presidentes da República devem "dar esse exemplo a todos os outros de diálogo, de esforço pelo país", considerando que "o país bem precisa, nos tempos mais próximos, de ter políticos que possam dedicar-se à sua causa".

Sobre Cavaco Silva, Passos Coelho destacou ainda que foi um "homem com elevado sentido de Estado, com uma influência muito grande apesar de discreta em todo o tempo de governação que veio desde 2005 até hoje".

"Tenho a certeza que o país lhe ficará a dever muito, quer na maneira como exerceu o seu mandato, quer sobretudo na forma como serviu os países e os portugueses e não se serviu do seu lugar", sublinhou.