Passos Coelho considera que os líderes europeus têm de preparar uma resposta conjunta caso a Grécia saia da Zona Euro. A posição foi transmitida numa entrevista à Reuters, esta sexta-feira, em Lisboa.

O primeiro-ministro reafirmou aquilo que tem dito nos últimos dias: a Europa está agora mais bem preparada para uma saída do país helénico do que no auge da crise. No entanto, e a poucos dias de uma cimeira extraordinária que vai juntar os líderes europeus para discutir a situação da Grécia, Passos Coelho diz que é “impensável” não haver uma resposta concertada dos líderes europeus.

"Seria impensável que, na área da moeda única, não houvesse uma resposta conjunta a tal situação. Uma resposta conjunta precisa de ser preparada pelos bancos centrais e pelo Banco Central Europeu.”


Passos falou numa resposta mas não entrou, contudo, em pormenores.

Numa altura em que se fala numa eventual situação de “contágio” caso a Grexit aconteça, Passos sublinhou que a saída “não põe em risco países como a Irlanda, Portugal, Espanha, ou Itália”.

No caso concreto de Portugal, o chefe do Executivo destacou que as reservas do país fazem com que não haja riscos até meados de 2016.

“As reservas que têm sido construídas pelo Tesouro Português colocam-nos numa situação que não põe em risco qualquer pagamento que temos de fazer até meados de 2016.”