O Governo destacou esta segunda-feira o lado mais positivo dos números do desemprego. Isto depois de o INE ter revelado que a taxa de desemprego baixou para  13,2% em maio, em comparação com o mesmo mês do ano passado, mas subiu face à estimativa definitiva para abril, de 12,8%

O primeiro-ministro frisou que os valores de maio maio "ainda irão ser revistos", por isso preferiu centrar-se nos números relativos a abril. "É positivo, evidentemente, porque significa que último dado compara muitíssimo bem com há um ano atrás".

Passos Coelho, que esteve em Braga, na renovação da parceira entre a Universidade do Minho e da Bosch, manifestou o desejo de que o emprego associado a estes números e "sobretudo aquele que vier a verificar-se no futuro, envolva o mais possível emprego menos precário e mais qualificado. Se não acontrecer, crescimento será mais limitado no futuro de médio e longo prazo", admitiu.

O ministro do Emprego, por sua vez,  congratulou-se com a redução da taxa de desemprego em Portugal desde 2013, fazendo, no entanto, uma avaliação negativa aos números apresentados pelo INE face a abril. 

“Os números do desemprego face ao ano passado são bons, quando nós comparamos a descida do desemprego face ao ano passado, é positivo”, disse Pedro Mota Soares.

“Convém que nós lembremos que estamos a falar desde o início de 2013 até hoje numa redução de cerca de 230 mil pessoas que saíram de uma situação de desemprego, quando olhámos para o mês passado (abril) o dado não é positivo”, sublinhou.

Pedro Mota Soares falava aos jornalistas na aldeia de Carreiras, no concelho de Portalegre, à margem da inauguração de um lar de idosos que contou com um investimento superior a 1,9 milhões de euros, criando cerca de 30 postos de trabalho.