Passos Coelho está de consciência tranquila porque fez tudo o que estava ao seu alcance para travar o fenómeno da emigração e dar ao país "o direito de voltar a sonhar".  A garantia foi deixada pelo primeiro-ministro na emissão especial da TVI e da TVI24 “Tenho Uma Pergunta para Si” e surgiu como comentário a um excerto da música de Pedro Abrunhosa e Camané “Quero voltar para os braços da minha mãe”, uma canção que retrata a dura realidade dos que têm de deixar o país. 

“Fico com a consciência tranquila de que fiz tudo o que estava ao meu alcance para evitar esta situação, fechar esta página negra da nossa história e para o país ganhar o direito de voltar a sonhar nos próximos anos. "


O chefe do Executivo espera que esta seja a última vez que Portugal tenha de passar por um processo destes, sublinhando ainda que "protegeu o país" deste e de outros dramas a que alguns países foram sujeitos, citando a incerteza do pagamento das reformas e o controlo de levantamentos nas caixas de multibanco numa clara alusão à crise na Grécia.

"Foi uma realidade dura [a emigração] e espero que Portugal nunca mais tenha de passar por um processo destes. [...] Podem gostar de mim ou não gostar nada. [...] Eu protegi o país desta realidade." 


A crise na Grécia foi, de resto, abordada mais tarde e questionado sobre o facto de Atenas ter taxas de juro mais baixas e pagar em prazos mais longos comparativamente com Portugal, quando deve mais dinheiro, o primeiro-ministro sublinhou que se trata de uma expressão de solidariedade europeia.

"A Grécia é um caso singular e era preciso dar uma expressão de solidariedade económica. Devíamos mostrar a nossa solidariedade."


Leia também:

"Dêem maioria ao PS, se for esse o entendimento dos portugueses"

“Não vou prometer baixar o IVA da restauração”

"Não tenho nada contra os reformados e pensionistas"

Passos Coelho admite dar crédito fiscal para o ano

Tecnoforma: "Não tenho nada que me embarace ou cause vergonha"