O deputado do PSD, Carlos Gonçalves, eleito pelo círculo da Europa, alegou esta quarta-feira que as comunidades portuguesas estão "perplexas" com o comportamento do PS no plano nacional, numa declaração política em que condenou os atentados em Paris. Este foi o mote para a troca de argumentos entre deputados, que levou Ferro Rodrigues, face aos protestos sonoros vindos da bancada do PS, a intervir: "Senhores deputados, peço para não partirem a mobília, por favor".

Numa alusão à perspetiva de o PS formar Governo, depois de ter inviabilizado o executivo PSD/CDS-PP, Carlos Gonçalves afirmou que "as comunidades portuguesas olham com perplexidade para a situação que o país vive atualmente" e "não compreendem que no seu país quem ganha as eleições não governa", nem querem uma inversão de rumo motivada por "objetivos de sobrevivência política".

O deputado do PS, Paulo Pisco, também eleito pelo círculo da Europa, reagiu a esta intervenção considerando "de muito mau gosto" e "inaceitável" estar "a misturar duas coisas que são completamente impossíveis de misturar".


Em resposta, Carlos Gonçalves defendeu que o discurso que fez em nome do PSD foi sobre o seu círculo eleitoral e "fica bem a esta câmara", salientando a parte em que falou das duas vítimas dos atentados de Paris de nacionalidade portuguesa, Manuel Dias e Précilia Correia.

Depois, o deputado do PSD acusou o PS de desvalorizar as comunidades portuguesas: "As comunidades para vocês não têm palavra. As comunidades para vocês são marginais, são periféricas e são esquecidas".


Carlos Gonçalves insistiu que as comunidades portuguesas estão a acompanhar com "perplexidade" a atual situação política do país e apoiam a coligação PSD/CDS-PP no Governo: "Por isso, deram-nos o melhor resultado desde 1991, porque quem está lá fora pode comparar e pode verificar o que foi feito aqui durante quatro anos".

"O senhor deputado Paulo Pisco vai às comunidades portuguesas e sabe que esse é o sentimento das pessoas que estão lá fora", sustentou.

Na sua declaração política, antes de falar da situação política nacional, o deputado do PSD manifestou solidariedade para com todas as vítimas dos atentados de sexta-feira em Paris e seus familiares, para com a França e o seu povo e para com a comunidade portuguesa, que elogiou.

"Permitam-me que de uma maneira especial lembre aqui o Manuel Dias e a Précilia Correia, apresentando às suas famílias, aos seus amigos e a toda a comunidade portuguesa uma mensagem de apoio e solidariedade neste momento tão complicado", disse.

Carlos Gonçalves contou que estava em Paris, no cinema, no momento dos atentados. "Não esqueço a preocupação e o pânico estampado na cara das pessoas que iam tendo notícias do que estava a acontecer. Todos nós tínhamos familiares, amigos ou conhecidos que podiam estar naqueles locais onde ocorreram os ataques", relatou.

"Não posso, no entanto, deixar de destacar que naquelas horas de terror alguns dos nossos compatriotas tiveram um papel de grande coragem na ajuda aos sobreviventes da tragédia", acrescentou, manifestando manifestou "muito orgulho" nas comunidades portuguesa espalhadas pelo mundo.

Foi neste ponto que o deputado do PSD introduziu o tema da situação política portuguesa, alegando que a comunidade portuguesa em França é "uma comunidade que se revê num país que nos últimos quatro anos recuperou a sua credibilidade externa, transmitindo evidentes sinais de confiança, de estabilidade e de um país cumpridor", como conta a Lusa.