A deputada do CDS-PP Vera Rodrigues louvou esta quinta-feira «três motores, a trabalhar ao mesmo tempo», para a retoma da economia portuguesa, enquanto o PS contrariou dados estatísticos e aconselhou um «capacete» para «máquina de realidade virtual».

«Foquemo-nos no país que saiu do resgate, diminuiu o desemprego, saiu da recessão e superou a troika. O crescimento económico e a retoma estão dependentes de três motores, a trabalhar ao mesmo tempo: a procura interna, as exportações e o investimento», elencou, numa declaração política no Parlamento.

A parlamentar democrata-cristã salientou que «a procura interna recuperou em 2014 e os portugueses estão mais confiantes no futuro, 2014 foi o melhor ano das exportações, com 70 mil milhões de euros e um crescimento de 40% relativamente a 2009 e a taxa de investimento 5,2%, a maior taxa desde 1999».

«O PS faz o pino, com taxas e gráficos, mas uma coisa nós sabemos - a fazer contas, o PS não acerta uma», acusou, lamentando a falta de propostas socialistas com vista à recuperação económica.

O deputado do PS João Galamba contrariou os argumentos da adversária política, recorrendo à tese oposta em termos macroeconómicos e defendeu não existir real crescimento sustentado.

«Meteu prego a fundo e enfiou-se na máquina de realidade virtual e só lhe falta mesmo o capacete. No Produto Interno Bruto (PIB) regredimos 10 anos, no desemprego 20 anos e no investimento 30 anos. Fale da realidade e não da efabulação da maioria», disse.

Vera Rodrigues lembrou que quem se costuma transportar de motociclo é João Galamba, recusando precisar de qualquer capacete e afirmou que o deputado do PS, além do utensílio de segurança para a cabeça «tem um grande topete» por defender os governos socialistas, que «puseram o país à beira da bancarrota».

«Não se preocupem. Ocupem-se em apresentar as vossas propostas. Os portugueses cá estarão para as avaliar e nós para as bater», assegurou a deputada centrista, garantindo que o modelo do atual Governo da maioria vai fazer Portugal «sair do buraco em que o PS o meteu».

O parlamentar comunista Bruno Dias também criticou as «variações sobre o tema do memorando da Horta Seca (rua onde se localiza o Ministério da Economia, liderado pelo democrata-cristão Pires de Lima) e o seu guião da propaganda».

«Há uma oposição que, infelizmente, se queixa, mas, felizmente, há um Portugal que segue trabalhando», contrapôs o social-democrata Nuno Matias, asseverando que 2014 foi «um ano recorde nas exportações sobre outro ano recorde, o de 2013» e que «o crescimento económico não é sustentado em dívida, mas em efetiva criação de riqueza».