Um grupo de cidadãos entregou esta quarta-feira mais de 4000 assinaturas ao presidente da Assembleia da República, Jaime Gama, apelando à introdução de boletins de voto em «Braille» para que os invisuais possam votar «secreta e autonomamente», escreve a Lusa.

«Segundo a Constituição, o sufrágio deve ser secreto e individual e o actual sistema lesa a privacidade de voto dos invisuais, pois estes precisam do auxilio de uma terceira pessoa», afirmou Maria Manuel Pinto, representante do grupo de cidadãos que levou a cabo a iniciativa, depois de uma audiência no Parlamento com Jaime Gama.

Explicar objectivos

Maria Manuel Pinto explicou ainda que a recolha das «4259 assinaturas» foi repartida entre um blogue na Internet ¿ www.cidadaniapro.blogspot.com - e uma campanha nas ruas «de todo o país» feita por «cerca de dez pessoas», que tiveram a «preocupação de consciencializar e explicar a todos os objectivos» desta petição.

«O número de invisuais e surdos não é assim tão incipiente, dois por cento da população activa é afectada», justificou, criticando que «num tempo de tanta tecnologia e facilidades» os boletins continuem a «não contemplar» estes sectores da população.

Grande curiosidade

«Boletins de voto em "braille", propaganda eleitoral em "braille" e mais rampas de acesso para pessoas com mobilidade reduzida ou problemas de saúde nos locais de voto» são as principais reivindicações deste grupo que começou a trabalhar nesta causa em Outubro do ano passado.

Questionada sobre a abertura do presidente da Assembleia durante o encontro, Maria Manuel referiu que Gama mostrou «uma abertura total e manifestou grande curiosidade».

«Ficou sensibilizado e garantiu que a primeira comissão parlamentar [de Assuntos Constitucionais] irá analisar a petição», acrescentou.