"O projeto do PS também salvaguarda os interesses do Estado ao impedir que a família fique impedida de vender o imóvel a um particular enquanto persistir a sua dívida perante a Autoridade Tributária", assinalou ainda o "vice" da bancada socialista.




"Os valores cobrados por serviços bancários básicos são perfeitamente abusivos. Com efeito, por serviços de manutenção e gestão de conta (nomeadamente transferências bancárias, aquisição de cartões de débito, entre outros), que representam para os bancos um custo nulo ou muitíssimo reduzido de acordo com os dados da Comissão Europeia, cobram-se valores que podem atingir as muitas dezenas de euros", refere-se no diploma do Bloco de Esquerda.