O Parlamento só vai agendar a eleição de membros externos à Assembleia, como o Provedor de Justiça e a Entidade Reguladora da Comunicação Social (ERC), para outubro, após as eleições autárquicas que se realizam dia 1.

A questão foi discutida esta quarta-feira em conferência de líderes parlamentares, na Assembleia da República, e o agendamento está previsto para a reabertura do Parlamento em outubro, após o período de suspensão dos trabalhos devido à campanha para as autárquicas, segundo disse aos jornalistas o deputado Duarte Pacheco.

A Assembleia da República tem pendentes várias eleições para órgãos externos, entre elas para o Provedor de Justiça, a Entidade Reguladora da Comunicação Social (ERC) e para o Conselho de Fiscalização dos Serviços de Informações.

A Assembleia da República fará três reuniões plenárias em setembro, nos dias 18, 19 e 20, antes da suspensão dos trabalhos devido à campanha eleitoral para as autárquicas de 01 de outubro.

Em 18 de setembro, será discutida uma proposta de resolução do Governo sobre o CETA, o tratado comercial entre União Europeia e Canadá, a que se juntarão iniciativas do PEV, PAN, BE e PCP.

Para esse dia está também agendado o debate de uma proposta de lei do Governo sobre o regime jurídico de segurança nos edifícios.

Para o dia seguinte, 19 de setembro, está agendada a discussão de uma série de projetos sobre supervisão bancária e financeira, do PSD, a que vários partidos também somarão iniciativas.

A lei sobre o direito à autonomia do género e à proteção das características sexuais está também agendado para dia 19.

Para o dia 20 de setembro, a agenda inclui o debate de vários projetos de lei, entre eles um sobre o preço do gás de garrafa, do PCP, e outro do CDS-PP sobre o investimento em infraestruturas ferroviárias e rodoviárias, além de uma petição acerca da redefinição de veículos em portagens.